7 de abr de 2013

Despedidas..




Auto estrada 222 novamente. Estou no banco de trás, meu irmão dirigindo e meu avô ao seu lado, triste. Seus olhos choram em silêncio, as lágrimas denunciam o que lhe vai na alma. Médico lhe deu um calmante leve para ele tomar, mas eu vi ele cuspir o remédio. Homem tinhoso esse Sr. Clarindo. Dou-lhe outro lenço. Ele agradece e me olha como se estivesse vendo minha vóinha, sempre fazia isso quando me olhava.

Em outros tempos ele diria: "Como você se parece com Tiquinha". E eu lhe responderia: " Meu Vô, o senhor será meu Clarindo". Em meio sorriso de leve: "Você deve arrumar um Clarindo para sua vida, mas não eu. Eu já estou velho." E prontamente lhe diria: "Sou a sua Tiquinha-inha e vou cuidar do sr." E a gente daria boas risadas. Mas hoje o silêncio falou mais alto. No ar, somente as doces lembranças de épocas já distantes.
 
Em minha mente vem o cheiro de comida sendo feita no fogão a lenha, na cozinha de "barro", como eu chamava. Minha avó, pequenina, magrinha, dona de uma voz calma, um olhar profundo, cozinhando suas delícias. Vóinha era uma pessoa capaz de transbordar amor em tudo que fazia. A casa sempre toda enfeitada de detalhes em frivolite, que ela fazia com maestria, com um zelo próprio de uma mãe, uma dona de casa que nasceu para se dedicar a família.

Fecho os olhos, e sinto o tempo voltar,  me vejo a correr o sitio descalça, atras da galinha para o almoço, ou apenas para ouvir o som de seus cocoricós. Adorava fazer isso. As vezes acordava com elas para ajudar meu vô na lida da roça que nos dava sustento. Minha vóinha volta e meia ralhando com um de nós pois estávamos sempre atrás de uma traquinagem. Em época de festa, família reunida, a alegria corria solta. Aquele era o lugar da felicidade, mas não hoje. Hoje não.

Deus que falta sinto daqui! Que falta faz essa vida que tinha aqui!

Retratos de uma vida que agora se encerra. Daqui pra frente todos seguiremos sem a presença de Dona Tiquinha, apelido carinhoso de Francisca. Só restam as lembranças e as fotografias amareladas pelo tempo, são elas que contarão novamente essa linda história de vida. Daqui pra frente as fotografias não estarão completas.

O perfume no ar é de terra molhada, choveu ainda há pouco, como se do céu viesse uma mensagem triste de adeus. Essa terra é sempre abençoada pelos arco-iris, mas hoje eles não apareceram. Ela não precisava que o caminho fosse mostrado, pois sua fé em Deus era enorme. Dona Tiquinha sabia de cór o caminho de volta pra casa do Senhor.

Parece-me que foi ontem que estive aqui fazendo o mesmo trajeto, com o mesmo sentimento, fazendo a mesma coisa: a despedida. Nos ultimos 4 anos perdi muito das minhas referencias, minhas bases.

Eu estou preocupada com meu avô, para ele essas perdas ainda são maiores. São 3 filhos e agora a sua companheira, seu amor. Olho pra ele que entre uma lágrima e um suspiro pergunta: "E agora meu Deus o que vai ser? Como vai ser sem a minha companheira de 44 anos?

Mas o silêncio não responde. Agora somente o tempo será o senhor das respostas. Só o tempo.

A estrada parece mais longa do que de costume e cada paisagem passa por meus olhos como se dissesse: "A sua terra, onde tudo começou e onde tudo terminará." E me encolho so assento como se quisesse apagar essa tristeza, esse vazio que só a morte trás.



ღ ☆ Ƒeita de Ϛoisas ♥ ☆








.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por seu comentário e volte sempre!