12 de mar de 2013

Existencias...

http://p2.trrsf.com.br/image/fget/cf/619/464/img.terra.com.br/i/2012/07/13/2430519-2223-rec.jpg



☆... Como me sinto longe deles, do alto deste outeiro! Parece-me que pertenço a outra espécie. Vão sair dos escritórios, depois de um dia de trabalho; olham para as casas, para os jardins dos largos, com um ar e satisfação; pensam que estão na “sua” cidade, uma “bela urbe burguesa”.

Não têm medo, sentem-se em sua casa. Nunca viram senão a água domesticada que corre das torneiras, a luz que jorra das lâmpadas, quando se liga o interruptor. Têm a prova, cem vezes por dia, que tudo se faz por mecanismo, que o mundo obedece a leis fixas e imutáveis.

Os corpos abandonados no vazio caem todos à mesma velocidade, o jardim público fecha todos os dias à dezesseis horas no inverno, às dezoito horas no verão, o chumbo funde a 335º, o último bonde sai às vinte e três horas do Largo da Câmara Municipal.

É gente sossegada, um pouco taciturna; pensa no dia de amanhã, isto é, simplesmente um novo hoje. Eis todos os ingredientes de uma confortável alienação cotidiana: a rotina, a explicação fácil, os hábitos não questionados, a consciência “limpa” dos que se atolam (Lamápolis…) na hipocrisia burguesa, a crença na imutabilidade das leis naturais e sociais.

Nenhum deles sabe ou suportaria saber que “todo o existente nasce sem razão, prolonga-se por fraqueza e morre por encontro imprevisto”.

Como estou eu só, em meio a essas vozes alegres e sensatas! Todos esses sujeitos passam seu tempo se explicando, reconhecendo com satisfação que têm as mesmas opiniões.

Deus meu, que importância dão a pensar todos juntos as mesmas coisas! Como estou eu, só, no meio dessas existências enfadonhas! ...☆





☆☆... Jean-Paul Sartre, in A Náusea ...☆☆






.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por seu comentário e volte sempre!